Informativo

CNM – PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO CIDADÃO É ATUALIZADO E GANHA MAIS DESEMPENHO


         A versão mais atual do Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC) da estratégia e-SUS Atenção Básica já está disponível para download. O sistema foi reestruturado em diversos aspectos, como no módulo de relatórios, agenda e funcionalidades de atendimento. Uma das principais mudanças é que o PEC não traz mais o gerador de Boletim de Produção Ambulatorial (BPA).

         Como explica o Ministério da Saúde, essa funcionalidade deixará de ser utilizada na Atenção Básica. As informações enviadas para o Sistema de Informação em Saúde da Atenção Básica (Sisab) serão migradas automaticamente para o Conjunto Mínimo de Dados (CMD), conforme estabelecido pela Portaria 2.148/2017.

         Os ajustes presentes na versão 2.2.09 melhoram desempenho da aplicação, como o processamento das informações. Além disso, o perfil de Recepção foi reestruturado, passando a integrar às ações relacionadas a coordenação, e houve reformulação no módulo de atendimento no que diz respeito à prescrição de medicamentos e registro de alergias.

         É possível também gerar relatórios com os filtros personalizados. Todos os campos dos blocos de informação (atendimento domiciliar, individual, atividade coletiva, entre outros) são organizados de forma similar ao formato de envio dos registros ao Sisab e podem ser selecionados para fazer download em formatos de planilha eletrônica.

         Como migrar para nova versão

         Para atualizar o sistema, basta acessar a página do Departamento de Atenção Básica (DAB). Os requisitos mínimos para a instalação variam de acordo com o número de usuários. Nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) que ainda não têm conectividade, o profissional precisa ir até um local com acesso à I para baixar a nova versão. O arquivo deverá ser salvo em um pen drive ou outro dispositivo, para depois ser instalado na máquina servidora. 

         Acesse a atualização do PEC aqui

         Publicado em 20 de setembro de 2017.

         Fonte: CNM com informações do Ministério da Saúde


Próximo Voltar